O desafio de reduzir o cultivo de drogas

A autora analisa o cultivo ilícito de drogas e o objectivo de refrear as plantações de coca nos Estados Unidos e na Colômbia. Ele aponta para a necessidade de medidas que possam fechar o fornecimento de matérias-primas ou substituir as culturas por uma reforma rural.

7 de Abril de 2020-Tempo de leitura: 2 acta

Com 212.000 hectares plantados com coca no ano passado, esta cultura ilícita estabilizou na Colômbia, segundo informações recentemente publicadas pela Casa Branca sobre o comportamento de culturas ilícitas. Em comparação com 2018, quando foram registados 208.000 hectares de coca, o aumento foi de 4.000 hectares. O relatório salienta que os esforços contra os narcóticos dos Estados Unidos e da Colômbia têm dado resultados, dado que "os níveis de cultivo de coca finalmente estabilizaram em 2018 e 2019 pela primeira vez desde 2012", disse Kirsten Madison, Secretária Adjunta do Bureau of International Narcotics and Law Enforcement Affairs (INL) dos EUA. 

O Ministro da Defesa colombiano, Carlos Holmes Trujillo, especifica que estes números se referem apenas ao que foi registado até Maio de 2019, e não têm em conta os esforços feitos pelas autoridades ao longo do ano. Na sua opinião, de acordo com o mecanismo de medição da polícia, em 2019 houve uma redução de cerca de 21.000 hectares e a medição das Nações Unidas está pendente, o que será conhecido em Junho deste ano. "Vamos continuar a trabalhar. A pulverização será retomada, tendo sido suspensa, foi um erro político muito grave".disse o chefe da pasta da defesa. O relatório também mostrou que a produção potencial de cocaína aumentou em 8%, para 951 toneladas em 2019, em comparação com 879 toneladas em 2018.
Isto pode ser explicado pela maturidade de grandes áreas de cultivo, que já não produzem apenas uma colheita por ano, mas até quatro colheitas. Isto é agravado pela tecnologia utilizada pelos traficantes de droga para aumentar a produtividade das culturas ilegais. O encerramento do fluxo de matérias-primas para os laboratórios poderia ter um grande impacto na produtividade. Neste sentido, Camilo González Posso, director do Instituto para o Desenvolvimento e Estudos de Paz (Indepaz), acrescenta que é necessário deixar de persistir "A estratégia errada de atacar o pequeno produtor sem olhar para todo o problema em termos de saúde, macro-criminalidade, centros de lavagem de dinheiro...".. Na sua opinião, dar prioridade às estratégias acordadas no acordo de paz de substituição voluntária de culturas ilícitas e uma reforma rural abrangente são a melhor forma de o conseguir. "uma maneira melhor". Em qualquer caso, o desafio de reduzir o cultivo ilícito e a produção de drogas é grande, e os EUA e a Colômbia concordaram em reduzir tanto o cultivo de coca como a produção de cocaína em 50 por cento até 2023. 

Leia mais
Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.