O coração da santidade

30 de Maio de 2018-Tempo de leitura: 4 acta

O bem-aventuranças São, de facto, nas palavras do Papa, "um bilhete de identidade de cristão".

Texto - Texto - Texto - Texto - Texto - Texto - Texto - Texto - Texto - Texto - Texto - Texto Ramiro Pellitero

O Bispo de Vitoria escreveu, Juan Carlos Elizaldeque o coração da exortação do Papa Francisco (Gaudete et exsultate) sobre a santidade é o discurso sobre as bem-aventuranças e a parábola do juízo final. Isto é assim, não só porque ocupam o (terceiro) capítulo central do documento, mas também porque mostram a face de Cristo e, portanto, a sua face, a face da santidade cristã.

No seu livro "Felicidade onde não é esperada", Jacques Philippe argumenta que o texto das bem-aventuranças "contém toda a novidade do Evangelho, toda a sua sabedoria e todo o seu poder para transformar profundamente o coração humano e renovar o mundo" (J. Philippe, Felicidade onde não é esperada: meditação sobre as Bem-aventuranças, Rialp, Madrid 2018.

O novo coração

Neles", diz Francisco, "vemos o rosto do Mestre, que somos chamados a tornar transparente na nossa vida quotidiana" (n. 63). Ele acrescenta que as bem-aventuranças propõem um estilo de vida "contra a maré".com respeito a muitas tendências no ambiente actual. Um ambiente que propaga consumismo hedonista e polémica, sucesso fácil e alegrias efémeras, pós-verdade e os seus subterfúgios, a primazia do eu e do relativismo. Por outro lado, as bem-aventuranças - observa Philippe - propõem uma "felicidade inesperada".juntamente com um "A surpresa de Deusa dom gratuito do Espírito reconfortante"...

As Beatitudes, adverte o Papa, não são uma proposta fácil ou lisonjeadora: "Só as podemos viver se o Espírito Santo nos invadir com todo o seu poder e nos libertar da fraqueza do egoísmo, da comunidade e do orgulho" (n. 65).

J. Philippe também sublinha isto o papel do Espírito Santo para nos fazer viver as bem-aventuranças, no quadro que o Deus Trino nos oferece e nos dá a oportunidade de participar. Ao retratar o rosto de Jesus, as bem-aventuranças também nos mostram o rosto de Jesus. o rosto de Deus PaiA sua misericórdia, a sua ternura, a sua generosidade que nos transforma interiormente e nos dá um coração novo. "As bem-aventuranças nada mais são do que a descrição do presente NOVO CORAÇÃO que o Espírito Santo forma em nós, e que é o próprio coração de Cristo".

É por isso - este autor recorda na sua introdução - que os teólogos medievais relacionam as bem-aventuranças com os sete dons do Espírito. Neste sentido, as bem-aventuranças são a resposta de Jesus à pergunta: como podemos acolher a obra do Espírito Santo, a acção da graça divina? São, ao mesmo tempo frutas e condições da acção do Espírito. Na sua coerência e profunda unidade, as bem-aventuranças são jornada pessoal de maturidade humana e cristã, ao mesmo tempo que quadro necessário para a vida familiar, social e eclesial, caminho e penhor do Reino de Deus.

Um programa que está sempre actualizado

Francisco sublinha alguns aspectos de cada bem-aventurança. Os Evangelhos associam a "pobreza de espírito" como uma virtude (que conduz à liberdade interior) ao pobreza O "simples", que implica "uma existência austera e despojada" (n. 70) e a partilha da vida dos mais necessitados. Somos convidados a ser tamerejeitar com humildade, como Jesus, a vaidade dos outros, suportar os seus defeitos e não ser escandalizado pelas suas fraquezas" (n. 72).

Convidam-nos a "não esconder a realidade" (n. 75) virando as costas ao sofrimento; pelo contrário, propõem-nos que grito e compreender o profundo mistério do sofrimento, olhar para a Cruz, consolar e ajudar os outros. Em directo justiça em termos concretosComo já era exigido no Antigo Testamento: com os oprimidos, os órfãos e as viúvas. Actuando com misericórdiaSomos todos "um exército dos perdoados" (n. 72).

Os Evangelhos pedem-nos que tomemos cuidado os desejos e intenções do coraçãorejeitando "o que não é sincero, mas apenas uma concha e uma aparência" (n. 84). Exortam-nos a procurar resolver conflitos, a ser artesãos da pazIsto requer "serenidade, criatividade, sensibilidade e habilidade" (n. 89). Somos encorajados a lidar com alguns dos "problemas" que o caminho da santidade nos traz: zombaria, calúnia e perseguição. 

O "protocolo" da misericórdia

Tudo isto é belamente expresso por o "grande protocolo pelo qual devemos ser julgados. É uma explicação detalhada dessa única bem-aventurança que os representa a todos: misericórdiaPorque tive fome e destes-me de comer, tive sede e destes-me de beber, um estranho e destes-me as boas-vindas, nu e vestistes-me, doente e visitastes-me, na prisão e fostes ver-me" (Mt 25,35-36). A parábola do Juízo Final, escreve São João Paulo II, "não é simplesmente um convite à caridade: é uma página de cristologia, iluminando o Mistério de Cristo". Francisco observa que "revela o próprio coração de Cristo, os seus sentimentos e escolhas mais profundas" (n. 96). E ele insiste que a misericórdia é o coração pulsante do Evangelho (n. 97).

Por este motivo, o Bispo Elizalde sublinha, com razão, que é É um erro prejudicial dissociar a acção caritativa de uma relação pessoal com o Senhor, porque transforma a Igreja numa ONG (cf. n. 100). Mas também que é um erro ideológico ser sistematicamente suspeito de envolvimento social de outros, "considerando-o como algo superficial, mundano, secularista, imanentista, comunista, populista" (n. 101).

De facto. Como os seus predecessores, São João Paulo II e Bento XVI, já salientaram, Francisco declara que é necessário manter vivo ao mesmo tempo, a promoção e defesa da vida em conjunto com a sensibilidade social para os necessitados.A defesa do não nascido inocente, por exemplo, deve ser clara, firme e apaixonada, porque a dignidade da vida humana, sempre sagrada, está aqui em jogo, e o amor por cada pessoa para além do seu desenvolvimento exige-o. Mas igualmente sagrada é a vida dos pobres que já nasceram, que lutam na miséria, (...) e em todas as formas de descarte" (n. 101). A migração não é menos importante do que a bioética (cf. n. 102).

Coerência na vida quotidiana

O terceiro capítulo do Gaudete et exsultate com uma chamada para Coerência cristã. A adoração de Deus e a oração devem levar-nos à misericórdia para com os outros, que é, como São Tomás de Aquino nos lembra, "o sacrifício que mais lhe agrada" (S. Th, II-II, q30, a4). Por outro lado, como disse Santa Teresa de Calcutá, "se estivermos demasiado preocupados connosco próprios, não nos restará tempo para os outros".

E assim o Papa conclui com estas palavras de certeza: "A força do testemunho dos santos reside em viver as bem-aventuranças e o protocolo do último julgamento. São poucas palavras, simples, mas práticas e válidas para todos, porque o cristianismo é principalmente a ser praticadoe se for também um objecto de reflexão, isso só é válido quando nos ajuda a viver o Evangelho na vida quotidiana. Recomendo vivamente a releitura frequente destes grandes textos bíblicos, relembrando-os, orando com eles, tentando fazer-lhes carne. Eles vão fazer-nos bem, eles vão fazer-nos genuinamente feliz" (n. 109).

Texto publicado em: iglesiaynuevaevangelizacion.blogspot.com, 21-V-2018

O autorRamiro Pellitero

Licenciatura em Medicina e Cirurgia pela Universidade de Santiago de Compostela. Professor de Eclesiologia e Teologia Pastoral no Departamento de Teologia Sistemática da Universidade de Navarra.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.