Espiritualidade, um recurso para sair da crise

Como podemos desenvolver a atitude para sair da crise em que embarcámos melhor do que entrámos? Esta é a questão que a autora se coloca, e ela propõe uma resposta baseada na espiritualidade.

4 de Setembro de 2021-Tempo de leitura: 2 acta

A pandemia de Covid-19 está a provar ser longa e multifacetada: afectou-nos globalmente e pôs-nos à prova a nível pessoal e familiar. Para a grande maioria das pessoas, a pandemia está a representar uma ameaça em muitas áreas da vida, tais como saúde, economia, estilo de vida (pessoal, familiar e social), e assim por diante. E está a resultar num aumento do stress e das preocupações, com importantes implicações para a saúde. 

Enfrentamos uma crise total, que ameaça o futuro imediato da nossa sociedade como um todo, e que deve ser enfrentada com todos os recursos disponíveis. Não deve ser surpresa que os recursos mais úteis e eficazes em circunstâncias como estas não sejam precisamente meios materiais. Em contextos de crise, o termo "gestão de crise" é frequentemente utilizado. resiliênciaA capacidade de se adaptar positivamente a um contexto de adversidade, definida pelos peritos como a capacidade de se adaptar positivamente a um contexto de adversidade, emergindo mais forte a partir dele. 

Mas como podemos desenvolver esta atitude de modo a sair desta crise melhor do que temos? Estudos recentes mostraram que a religiosidade desempenha um papel muito positivo no desenvolvimento e manutenção de comportamentos resilientes, o que também favorece a qualidade de vida das pessoas. Sabemos que a espiritualidade é uma necessidade humana, mas talvez não tenhamos consciência de que em situações adversas ela se torna um recurso que favorece o bem-estar emocional e nos ajuda a tirar forças do contacto directo com o sofrimento. As crenças religiosas fornecem apoio e estabilidade, bem como um significado último que traz coerência e segurança à vida das pessoas. Num estudo realizado no início da pandemia da COVID-19, o Instituto de Estudos Superiores de Família da UIC Barcelona constatou que esta relação positiva entre a religiosidade e a resiliência das pessoas também ocorreu no contexto da crise sanitária em Espanha. O estudo também mostra que alguns antecedentes que favorecem esta reacção positiva à crise são boas relações familiares. 

Face ao panorama cultural pós-moderno, caracterizado por um elevado desenvolvimento tecnológico e por um crescente vazio existencial e individualismo que leva ao isolamento, confirma-se mais uma vez que a espiritualidade é a maior rebeldia do ser humano, como afirmou São Josemaría Escrivá. Ajuda-nos a ultrapassar as limitações, falhas e crises inerentes à existência e restabelece o verdadeiro significado da vida pessoal e familiar.

O autorGás Montserrat Aixendri

Professor na Faculdade de Direito da Universidade Internacional da Catalunha e Director do Instituto de Estudos Superiores da Família. Dirige a Cátedra de Solidariedade Intergeracional na Família (Cátedra IsFamily Santander) e a Cátedra de Puericultura e Políticas Familiares da Fundação Joaquim Molins Figueras. É também Vice-Reitora da Faculdade de Direito da UIC Barcelona.

Leia mais
Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.