Planeta dos Cães

O mundo em que vivemos, com vírus que ameaçam a humanidade, fez-nos pensar sobre a fragilidade da nossa espécie.

2 de Setembro de 2021-Tempo de leitura: 3 acta

Esse filme, que mais tarde gerou uma série de televisão e é agora uma grande franquia, teve um profundo impacto na minha infância. Planeta dos Macacos narrou uma distopia em que a espécie humana tinha sucumbido à superioridade dos macacos que dominavam a terra num futuro imaginário. Na origem, o grande fracasso da humanidade desde Adão e Eva: querer ser como Deus, desta vez através da má utilização da engenharia genética e da energia nuclear, apenas para acabar por se aperceber de que se está nu.

O ser humano, feito à imagem e semelhança de Deus, tem o poder de dar vida e de a tirar, de se reproduzir ou de se extinguir. Ele é o único ser vivo que pode contornar a lei da autopreservação, que está inscrita em toda a criação, a fim de seguir a lei da autodestruição. Criados para a vida, na nossa liberdade somos capazes de nos condenarmos à morte. De facto, isto é o que, em termos teológicos, chamamos pecado, mesmo que a palavra em linguagem popular tenha outras conotações, muitas vezes erróneas.

Os seres humanos, feitos à imagem e semelhança de Deus, têm o poder de dar vida e de a tirar, de se reproduzir ou de se extinguir.

Antonio Moreno

O mundo distópico em que vivemos em 2020-2021, com vírus mutantes a ameaçar a família humana, fez-nos pensar na fragilidade da nossa espécie e na possibilidade real de as fábulas de Hollywood se tornarem mais do que entretenimento.

Que esta introdução sirva de argumento para explicar porque tive dificuldades em adormecer na outra noite depois de ler este facto: em Espanha há 6,2 milhões de crianças com menos de 14 anos de idade, enquanto há mais de 7 milhões de cães registados. O sonho dos casais jovens já não é ter descendência, mas partilhar um cão. Os seres humanos nascem, crescem, adoptam um cão e morrem sem deixar rasto. Esta é a realidade dos homens e mulheres do século XXI, condenados à vida de cão, onde o amor de uma família, aberto à eternidade, é substituído pelo afecto intransigente de animais adoráveis.

Não devemos esquecer que o cão é uma espécie criada pelos humanos, cruzada durante gerações para satisfazer as nossas necessidades e, actualmente, a necessidade mais básica (basta olhar para a tão apregoada sociedade de bem-estar) é o afecto.

Neste Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Criação, lembro-me das palavras do Papa em Laudato si'Não pode ser real um sentimento de união íntima com os outros seres da natureza se ao mesmo tempo não houver ternura, compaixão e preocupação pelos seres humanos no coração. A incoerência daqueles que lutam contra o tráfico de animais em risco de extinção, mas que permanecem completamente indiferentes ao tráfico de pessoas, que negligenciam os pobres ou que estão determinados a destruir outro ser humano de quem não gostam, é óbvia".

E perante as desigualdades do nosso mundo, perante a superioridade da cultura descartável, que despreza os pobres, os idosos, os doentes e as crianças, ao mesmo tempo que supostamente ama cada vez mais os animais, lembro-me da cena final do filme com que abri o artigo: Um magistral Charlton Heston descobre finalmente que, após a destruição da raça humana, não há ninguém a quem culpar a não ser o próprio homem no uso da sua liberdade. E de quatro, deitado como um cão na costa da praia enquanto era atirado pelas ondas, exclama: "Seus maníacos! Vocês destruíram-no! Eu amaldiçoo-vos!".

O autorAntonio Moreno

Jornalista. Licenciado em Ciências da Comunicação e Bacharel em Ciências Religiosas. Trabalha na Delegação Diocesana dos Meios de Comunicação Social em Málaga. Os seus numerosos "fios" no Twitter sobre a fé e a vida diária são muito populares.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.