Religião xeque-mate

Feminismo, animalismo, igualitarismo de género não são apenas opções políticas. Tornaram-se para as pessoas que os defendem o sentido das suas vidas. Tomam o lugar da religião

27 de Novembro de 2022-Tempo de leitura: 2 acta

Leitura do trabalho de Charles Taylor A era secular Volto à reflexão sobre o humanismo exclusivo e sem Deus em que estamos imersos, e sobre a nossa posição como cristãos nesta sociedade.

A questão parece-me relevante. Há alguns anos, ouvi de um político que o lugar da religião nesta sociedade desencantado em que a ciência tinha dado uma explicação racional do mundo era oferecer um significado último ao nosso fazer e estar na sociedade. Este político disse que a religião fazia sentido porque ainda não tinha sido encontrada outra forma de preencher esse sentido da vida.

Tenho de admitir que achei este 'ainda' em parte preocupante e em parte um pouco arrogante. Não porque eu acredite que a dimensão espiritual possa realmente ser preenchida com substitutos e que o religioso vai ser removido do seu último reduto de utilidade restante. Mas porque em torno desta pretensão sinto que está a ser construída uma proposta que quer ocupar este reduto da alma.

O filósofo canadiano argumenta que um tal humanismo exclusivo sem Deus "deve produzir algum substituto para o Ágapedeve levar um bem-estar humano.

Tenho a sensação de que é isto que está em jogo no momento da secularização do nosso mundo. A agenda para 2030, os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável, o movimento ambiental é apresentado como um objectivo comum que nos transcende. Tem algo daquele benefício humano que Taylor disse. As aspirações da humanidade são marcadas por uma agenda internacional perfeitamente programada por pessoas que conceberam o paraíso sustentável em que viveremos felizes. O desejo de luta revolucionária tem sido canalizado a partir dos níveis mais elevados. A história tem um significado que estamos a descobrir passo a passo, em fases consecutivas, que vão desde a vinte e trinta em twenty-fifty.

Pense sobre isso. Feminismo, animalismo, igualitarismo de género não são apenas opções políticas. Tornaram-se para as pessoas que os defendem o sentido das suas vidas. Eles tomam o lugar da religião. Aquilo pelo qual viver, aquilo que transcende um. Aquilo pelo qual lutar. Sem estas lutas, a sua vida não teria sentido. Não, não são simplesmente escolhas políticas. Têm um ar de messianismo que acaba por prometer um mundo feliz, ou mesmo, como no caso do transhumanismo, a vida eterna.

Nesta visão da vida, o religioso é reduzido a um elemento auxiliar, que pode mesmo ser útil, para atingir esse objectivo superior para o qual todos temos de cooperar. O religioso é minimizado, subordinado e colocado ao serviço do sistema.

O processo de secularização enfrenta assim uma nova etapa em que o facto religioso já não é necessário porque o humanitarismo conseguiu encontrar um sentido para a vida dos indivíduos e da sociedade dentro da sua própria lógica. Estamos no ponto que Robert Hugh Benson descreveu magistralmente em 1907 no seu romance Senhor do mundo.

Este é realmente um movimento destinado à religião xeque-mate.

Fique atento ao nosso próximo passo.

O autorJavier Segura

Delegado docente na Diocese de Getafe desde o ano académico de 2010-2011, realizou anteriormente este serviço no Arcebispado de Pamplona e Tudela durante sete anos (2003-2009). Actualmente combina este trabalho com a sua dedicação à pastoral juvenil, dirigindo a Associação Pública da Fiel 'Milicia de Santa María' e a associação educativa 'VEN Y VERÁS'. EDUCACIÓN', da qual é presidente.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.