TribunaR.J. Snell

Homens e mulheres de esperança

Face à situação de crise que parece abranger todas as áreas da existência e da sociedade actual, os católicos devem ser, mais do que nunca, homens e mulheres de esperança.

16 de Novembro de 2022-Tempo de leitura: 3 acta
Católicos

Soube recentemente que o "doomscrolling"é suficientemente comum para preocupar médicos e terapeutas. É uma obsessão com notícias negativas nas redes sociais, um estranho desejo de se sentir bem por se sentir mal.

Certamente, os problemas abundam, e de todos os lados. A guerra, a economia, a desintegração familiar, o colapso demográfico, a perda de aderência religiosa e a sensação de que o Ocidente está em declínio, com os católicos enredados nesse declínio. É demasiado fácil encontrar más notícias, mesmo más notícias sobre a Igreja.

Por outro lado, sempre tivemos problemas. Consola-me lembrar que a primeira pessoa a receber a Eucaristia foi Judas Iscariotes. Mais do que uma história triunfal, a Última Ceia gravou a traição no seu núcleo e prefigura as agonias do Jardim e da Cruz. O cristianismo não é um conto de fadas, e a Encarnação traz a redenção, mas também o sofrimento de Cristo. De facto, ele prometeu-nos as nossas próprias cruzes.

Não é por acaso que Jesus se sente tentado a tornar as coisas fáceis e seguras. Pão, sinais, paz, ou seja, prosperidade, certeza e segurança. Em muitos aspectos, o projecto moderno prometia um mundo seguro e próspero através da certeza da ciência. Se, como Francis Bacon afirmou no seu Novo corpoAo libertarmo-nos da superstição, ao recorrer ao poder humano para produzir e controlar, poderíamos progredir em direcção ao céu na terra, melhorando o destino humano para sempre. Ou, como o Grande Inquisidor a partir de DostoevskyCristo oferece liberdade, mas o que nós queremos é pão. O que Jesus experimentou como tentações, a modernidade tem reclamado como boas notícias.

Como homens modernos, experimentamos uma segurança, certeza e prosperidade que raramente tem sido desfrutada ao longo da história. Muito disto é bom, é claro. Nenhuma pessoa prudente olha favoravelmente para a fome ou para a guerra. Mas talvez tenhamos confundido áreas e assumido que o admirável progresso da ciência, da tecnologia e da medicina se transporta para o reino da liberdade humana.

Ao domínio das nossas acções, dos nossos amores, do nosso espírito, e portanto também dos nossos pecados. Se a ciência pode trazer saúde e prosperidade, porque não pode vencer a luxúria da carne, a luxúria dos olhos e o orgulho da vida?

Quando a realidade humana resiste teimosamente a soluções tecnológicas, muitos cedem a três erros. Para aqueles que se tornaram racionalistas, convencidos de que existe uma solução para todos os problemas humanos, dois erros aparecem: primeiro, uma duplicação do racionalismo, uma vontade de sacrificar a liberdade e as pessoas à tecnologia, convencidos de que existe apenas uma melhor solução para tentar; segundo, uma resignação desesperada de que o arco de decadência e declínio é agora permanente e inexorável, e a única coisa a fazer é esperar pelo fim.

Em terceiro lugar, outros abraçam uma espécie de fundamentalismo a-histórico, inclinados a viver num mundo que já não existe (se é que alguma vez existiu) e que vêem a Igreja como uma rota de fuga, um lugar seguro quando o mundo parece estar a arder com muitos problemas. 

Contudo, para a mente católica, as formas de racionalismo e fundamentalismo não têm apelo porque temos esperança infundida em nós através do nosso baptismo e dos dons do Espírito Santo. Se desesperarmos, vomitando as nossas mãos e concluindo que nada pode ser feito, perdemos a esperança. Se assobiarmos melodias felizes, indiferentes aos desafios e ao sofrimento, somos culpados de presunção.

Em vez disso, Deus dá-nos esperança e pede-nos que a mantenhamos, porque sabemos que existe outro, Deus, para quem nada é impossível e que não quer que ninguém pereça. Cristo não veio para condenar, mas para salvar (Jo 3,17) e, sobretudo, que há outro que está a trabalhar no nosso mundo e que não tira a nossa liberdade e responsabilidade, mas dá-nos ainda mais liberdade e responsabilidade, assim como a graça necessária.

A nossa tradição compreende que a esperança é uma virtude. As virtudes não diminuem o ser humano, mas tornam-nos mais perfeitamente humanos, além de nos tornarem amigos de Deus. A esperança não é apenas um traço de personalidade, mas uma disposição para pensar, escolher e agir como se deve. 

O nosso tempo precisa que os católicos sejam bons católicos e bons seres humanos. A mente católica é esperançosa, não porque se baseia no racionalismo; nem se retira para algum refúgio eclesiástico. A mente católica tem esperança porque existe um Deus que promete que a sua vontade será feita, e ele quer o bem.

A mente católica também sabe que o caminho do propósito de Deus inclui a Cruz, e não pode evitar a Cruz, não pode chegar ao seu propósito por nenhum caminho mais fácil. Assim, enquanto lamentamos tantas más notícias, tantas notícias terríveis, não desesperamos.

O autorR.J. Snell

Editor-chefe de O Discurso Público.

Em colaboração com
Quer notícias independentes, verdadeiras e relevantes?

Caro leitor, Omnes relata com rigor e profundidade sobre assuntos religiosos actuais. Fazemos um trabalho de investigação que permite ao leitor adquirir critérios sobre os eventos e histórias que acontecem na esfera católica e na Igreja. Temos assinaturas de estrelas e correspondentes em Roma que nos ajudam a fazer sobressair a informação de fundo do ruído dos meios de comunicação, com distância ideológica e independência.

Precisamos de si para enfrentar os novos desafios de um panorama mediático em mudança e de uma realidade que exige reflexão, precisamos do seu apoio.

Em colaboração com
Mais sobre Omnes
Boletim informativo La Brújula Deixe-nos o seu e-mail e receba todas as semanas as últimas notícias curadas com um ponto de vista católico.